31 jan

Febre amarela: saiba tudo sobre a doença

febre-amarela-350x263

A febre amarela é uma doença hemorrágica viral aguda grave transmitida por mosquitos infectados. Uma pequena percentagem de doentes que contraem o vírus revelam sintomas graves e cerca de metade deles podem evoluir a óbito no prazo de 7 a 10 dias.

 

O ano começou com dados alarmantes sobre uma doença que a alguns anos não apresentava casos. Nos últimos dias, já foram confirmados vários casos de febre amarela só neste primeiro mês de 2017, tonando-se o maior surto da doença desde 1980. Precisamos estar atentos e reforçar ainda mais a prevenção ao mosquito Aedes Aegypti, pois essa doença entra na lista das transmitidas por esse pequeno mosquito, juntamente com a dengue, zika e chinkungunya.

E para falar um pouco sobre este tema tão importante, sua forma de transmissão e tratamento, convidei as Dra. Daniela e Dra. Jessica do Pediatria Sem Stress e parceiras do blog para nos deixar por dentro de tudo o que envolve a Febre Amarela.

Transmissão

A doença apresenta dois ciclos de transmissão epidemiologicamente distintos: silvestre e urbano.

Ciclo Silvestre

No ciclo silvestre da febre amarela, os macacos são os principais hospedeiros e amplificadores do vírus, e os vetores são mosquitos com hábitos estritamente silvestres, sendo os gêneros Haemagogus e Sabethes os mais importantes na América Latina. Nesse ciclo, o homem participa como um hospedeiro acidental ao adentrar áreas de mata.

A forma silvestre é endêmica nas regiões tropicais da África e das Américas. Em geral, apresenta-se sob a forma de surtos com intervalos irregulares, sem ciclicidade definida.

Ciclo Urbano

No ciclo urbano, o homem é o único hospedeiro com importância epidemiológica e a transmissão ocorre a partir de vetores urbanos (Aedes aegypti) infectados.

No Brasil

Foram definidas duas áreas:

  1. Área com recomendação da vacina, correspondendo àquelas áreas onde se reconhece o risco de transmissão;
  2. Área sem recomendação de vacina, correspondendo às “áreas indenes”, sem evidência de circulação viral.

Não é possível que uma pessoa infectada transmita diretamente o vírus para outra.

 

Fatores de Risco

Esta doença acomete com maior frequência o sexo masculino e a faixa etária acima dos 15 anos, em função da maior exposição profissional, relacionada à penetração em zonas silvestres da área endêmica.

Outro grupo de risco são pessoas não vacinadas que residem próximas aos ambientes silvestres, onde circula o vírus, além de turistas e migrantes que adentram estes ambientes sem estar devidamente imunizados. A maior frequência da doença ocorre nos meses de dezembro a maio, período com maior índice de chuva, quando a reprodução do mosquito é elevada, coincidindo com a época de maior atividade agrícola.

 

Sintomas

Uma vez contraído, o vírus da febre amarela mantém-se em incubação no corpo durante 3 a 6 dias. Muitas pessoas não apresentam sintomas, mas quando estes ocorrem, os mais comuns são:

  • Febre alta
  • Náuseas
  • Vômito
  • Fadiga
  • Dores musculares
  • Dores de cabeça

Na maioria dos casos, os sintomas desaparecem após 3 ou 4 dias.

Uma baixa porcentagem das pessoas pode evoluir para uma forma mais tóxica, após uma breve (24 a 48 horas) recuperação dos sintomas iniciais. A febre alta retorna e outros órgãos são afetados, normalmente o fígado e os rins, causando outros sintomas, como:

  • Pele e olhos amarelados (ictericia)
  • Sangramentos
  • Fezes escuras
  • Diminuição da urina

post02

Icterícia: coloração amarelada que pode ocorrer na mucosa e/ou na pele

.

A maioria dos infectadas evolui bem e adquire imunidade (proteção) permanente contra a febre amarela.

 

Tratamento

Não há tratamento específico para a doença, mas há cuidados específicos para tratar a desidratação, problemas do fígado e do rim, febre e dor. AAS e Aspirina devem ser evitados, pois seu uso pode favorecer o aparecimento das manifestações hemorrágicas (sangramentos espontâneos) da doença.

Prevenção

A única forma de evitar a febre amarela silvestre é através da vacina, que é gratuita e está disponível nos postos de saúde em qualquer época do ano.

Já a febre amarela urbana pode ser prevenida evitando a disseminação do Aedes aegypti, que transmite também dengue, zika e chikungunya. O Aedes prefere depositar seus ovos em água limpa e próximo a casa. Assim, é responsabilidade de todos evitar o acúmulo de água parada nas residências (veja dicas no Post sobre Dengue na parte sobre Prevenção). Também, o uso de repelente ajuda a evitar a picada do mosquito.

 

Vacina contra Febre Amarela

A vacina é atenuada, ou seja, contém o vírus da febre amarela enfraquecido, cultivado em ovo de galinha.

Todos que vão viajar ou moram em áreas endêmicas (parte amarela do mapa) têm indicação de realizar a vacina.

post01

Cuidados Antes da Vacinação

  • Não é necessário nenhum cuidado específico antes de realizar a vacina
  • Em caso de febre, recomenda-se adiar a vacinação até melhora
  • Qualquer sintoma ou reação adversa deve ser notificado na Unidade de Saúde onde foi realizado

Contra-Indicações

Por ser uma vacina de vírus vivo, algumas pessoas não podem recebê-la:

  • Transplantados
  • Pacientes com doença imunosusupressora, como Aids ou Imunodeficiências Primárias
  • Pessoas com doença auto-imune ou câncer que utilizam medicações que causam diminuição da imunidade (converse com seu médico antes de realizar a vacina)
  • Gestantes
  • Crianças menores de 6 meses
  • Idosos (maiores de 60 anos) devem evitar a vacina, converse com o seu médico para avaliar risco x benefício

Por ser uma vacina que é cultivada em ovo de galinha, os pacientes com ALERGIA À OVO que já apresentaram anafilaxia (reação alérgica grave) devem evitá-la pelo risco de reação. Caso o risco de infecção pela Febre Amarela seja muito grande, existem opções para a realização da vacina. Converse com seu Alergista.

 

Quem amamenta pode receber a vacina?

Mulheres amamentando crianças abaixo de 6 meses de idade: Se a vacinação não puder ser adiada até o bebê completar 6 meses, a mãe deve realizar, antes da vacinação, a ordenha do leite e manter congelado por 28 dias, em freezer ou congelador, para uso durante 28 dias (no mínimo 15 dias), período em que há risco de transmitir o vírus vacinal pelo leite e contaminar o bebê. Confira o post sobre Extração e Armazenamento do Leite Materno

 

Efeitos Adversos da Vacina:

  • Dor leve a moderada com duração de 1 a 2 dias no local da aplicação pode ocorrer em 4% das pessoas vacinadas
  • Manifestações gerais, como febre, dor de cabeça e muscular são os eventos mais frequentes e acontecem em cerca de 4% dos que são vacinados na primeira vez e menos de 2% nas segundas doses
  • Apesar de muito raros, podem acontecer eventos graves:
    • Reações alérgicas
    • Doença neurológica (encefalite, meningite, doenças autoimunes com envolvimento do sistema nervoso central e periférico)
    • Doença em órgãos (infecção pelo vírus vacinal causando danos semelhantes aos da doença)
    • No Brasil, entre 2007 e 2012, a ocorrência destes eventos graves foi de 0,42 caso por cem mil vacinados.
    • Na suspeita de reação grave procure um serviço de saúde

post03

Fonte: Ministério da Saúde / Organização Mundial da Saúde(OMS) / Sociedade Brasileira de Imunização 


Este post foi feito pela nossas parceiras do Blog, a doutora Jessica Loekmanwidjaja e doutora Daniela Armonia Munhoes, médicas pediatras formadas pela UNIFESP e especializadas em Alergia e Imunologia pela UNIFESP. Além de médicas, elas são autoras do Blog Pediatria Sem Stress, que surgiu com o objetivo de trocar informações e orientações sobre os principais assuntos em pediatria e alergia de uma forma clara e confiável para os pais e pacientes.

unnamed

Super postagem para imprimir e guardar!!! Agora, surreal é falarmos novamente de algo que já deveria estar erradicada, não é? Isso me revolta!

Luciana Emely disse:

Pois é, mais uma doença para a lista de um pequeno mosquito. É absurdo.

Deia Tomaz disse:

super util o post
Estava lendo junto com meu marido, que está viajando para BH amanha.
Por sorte tomamos a vacina em 2010 quando fomos a Africa do Sul .

Luciana Emely disse:

Eu tomei um pouco antes de engravidar… por sorte também.

Michele Gobbato disse:

Ótimo post, precisamos cada vez mais de informação para tomar os cuidados necessários

Bjs Mi Gobbato

Luciana Emely disse:

Com certeza, prevenção é tudo!

Cada vez que descubro mais sobre Febre Amarela mais ela me preocupa!!

Nosso pediatra disse que não precisamos dar a vacina para o meu filho, moramos em Barueri, onde a doença ainda não chegou, mas a vacina está para chegar na rede pública, minha esposa quer dar mesmo assim. Acho que todo cuidado é pouco, né!?

Luciana Emely disse:

Eu demorei a dar no meu pequeno… era para tomar com 9 meses e ele tomou com 1 ano e meio. Prevenção sempre é a melhor saída.

Pauleni Gomes disse:

Tô bem esperta com tal febre amarela viu! Já conversei com a pediatra e os meninos tomaram a vacina quando novos. E tudo que tem no post está perfeito, foram as mesmas explicações da pediatra.

nossasaogemeos.blogspot.com.br

Luciana Emely disse:

Realmente as Dras. Daniela e Jessica são excelentes e sempre agrega conteúdo para nós.

Regina disse:

Ótimo post, super completo!!!!!! Todo conhecimento é importante para prevenção!

Luciana Emely disse:

Com certeza! Nada melhor que ficar informado e fazer a prevenção.

Tatiane disse:

Preciso fazer outra dose aqui, está quase vencendo!
Ótimas informações Lu!

Luciana Emely disse:

Melhor então se prevenir logo. Bjos

Anna Peppe disse:

Foi a pior vacina que já tomei! O pós é horrível, realmente dolorida, sobrecarrega o fígado, deu muito mal estar e indisposição. Tomei por recomendação na área de viagem. Impressionante uma doença destas estar matando em pleno século 21.

Luciana Emely disse:

Realmente é muito ruim. Mas é melhor prevenir.

Claudia disse:

Oi Lu!
Ótimo post!
Fico muito preocupada com este tipo de doença que volta com tudo…nunca me esqueço do depoimento que li do Dr Drauzio Varella, que quase morreu de febre amarela…todo cuidado é pouco.
Ja acompanhava as médicas e adoro este tipo de informação. Parabéns
Bjs

Luciana Emely disse:

Nossa, é mesmo de se preocupar. Elas são ótimas. Bjos

Muito útil esse post. Valeu pelas dicas.

Luciana Emely disse:

Eu que agradeço. Abraços

fanny disse:

Eu assisti a reportagem no Fantastico sobre a febre amarela e já tinha ficado assustada e agora lendo seu post, mais medo ainda…. espero que contenham logo para que não vire uma epidemia. beijos

Luciana Emely disse:

Sim Fanny, precisam mesmo conter logo. Agora é prevenir. Bjos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2014-2017 . Todos os direitos reservados ao Blog Recém Mãe| Design Por Luciana Emely